Análise: Max & The Magic Marker – PC e Wii

Crayon Physics Deluxe, jogo lançado em 2008, tem uma mecânica peculiar: você desenha algo na tela que te ajuda a chegar ao seu objetivo, e tem também uma física muito bem trabalhada. A empresa Press Play gostou dessa ideia e decidiu inserí-la num jogo de plataforma com visual bem colorido, dando mais possibilidades de criação e voila: fizeram Max & The Magic Marker.

A história começa quando Max recebe uma correspondência com uma estranha caneta. Ele a usa para desenhar um monstro em sua historinha e ele subtamente toma vida. Max, então, desenha a sí próprio na história para pegar o mau caráter.

Você entra num mundo em 2D com visão lateral, como nos clássicos jogos de plataforma, e precisa correr, saltar e se pendurar para chegar ao fim das fases, tudo fruto da imaginação de Max. Na versão de PC (a que testamos) você controla o personagem com os botões “WASD” do teclado e usa o mouse para controlar a caneta mágica. Cada fase é cheia de obstáculos, como paredes muito altas ou plataformas que ficam muito longe para serem alcançadas com um simples pulo, então, é necessário desenhar alguma coisa que ajude Max a passar por esses obstáculos, como uma ponte ou uma escada.

Max realiza o desejo de muito garoto por aí: entrar no próprio desenho para derrotar um monstro criado por ele mesmo.

Diferente de Crayon Physics, onde você podia desenhar sem parar, aqui a tinta da sua caneta não é infinita. Durante toda a fase você coleta bolas que contém tinta extra e precisa usá-la com cuidado. É possível pegar de volta toda a tinha que você gastou desenhando algo, mas, em cada novo checkpoint, o monstro desenhado por Max aparece para tomá-la. Usar bem a tinta da caneta é o grande desafio do jogo. Por vezes você se verá com pouca tinta e com um longo caminho pela frente (e muitas vezes ficará preso por isso) mas há uma grande variedade de formas de resolver os quebra-cabeças. O jogo te dá liberdade para usar a sua criatividade, que será a sua maior arma.

A Física funciona bem. Você pode subir em uma das partes de uma gangorra e jogar algo pesado na outra para, assim, ser projetado para cima, por exemplo, mas não pode desenhar algo para flutuar na água. Essas limitações mantém equilibrada a dificuldade do jogo. Existe, ainda, a possibilidade de apertar o “espaço” e dar um “pause” em toda a ação, mas não na caneta, que você pode usar para desenhar algo enquanto tudo está parado, função que se torna indispensável conforme de avança para novas fases.

Mas como nada é perfeito, o jogo também conta com alguns problemas. Movimentar Max pode ser irritante. Quando você desenha uma escada para um lugar mais alto, por exemplo, ela não fica exatamente presa ao chão e quando você tenta subir, pode acabar a empurrando e derrubando em algum buraco e terá que desenhar tudo denovo e isso atrapalha muito nas fases mais longas, onde um erro pode significar muito trabalho perdido.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

O visual, infantil e colorido, é bem simples, sem objetos se movendo ao longe e coisas do tipo, mas são estilizados e dão uma particularidade ao jogo. Cada um dos mundos segue um tema diferente, replicado nas fases: sua vizinhança, uma ilha de piratas e um mundo robotizado. Já o som, agradável no começo, depois de algumas fases torna-se bem repetitivo. Também não conseguimos entender qual a serventia dos inimigos nas fases, já que existem bem poucos e, na maioria das vezes, não atrapalham seus planos. Ficamos com a impressão de eles estarem alí apenas para encher linguiça.

Max & The Magic Marker conta com 15 fases diferentes. É um jogo bem divertido, apesar de conter falhas simples. Há diversos itens escondidos nos cenários que liberam extras no decorrer do jogo que aumentam a durabilidade do título e a diversão. O preço de 20 dólares pode parecer alto para um jogo independente, mas garantimos que vale a pena.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Texto originalmente publicado na revista Indie Gamer, de fevereiro de 2010. Leia aqui.
Anúncios
Etiquetado , , , , , , ,

3 pensamentos sobre “Análise: Max & The Magic Marker – PC e Wii

  1. Daniel disse:

    Lembrou Scribblenauts

  2. diogo disse:

    e o erro que dar quando eu vo jogar e unity

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: